Aviso do Raposo

Os capítulos seguem uma sequência cronológica que por ordem de postagem estão ao contrário.
Para segui-los na ordem correta cliquem no ARQUIVO DO BLOG em cada capítulo.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

CAPÍTULO 11 - UMA PESQUISA DO BARULHO

Raposo, o Idoso Odioso

Ding Dong.

Nada.

Ding Dong.

Nada.

Diiiing Doooong.

Diiiing Doooong.

“Já vai meu cace@#$%. Gente desesperada não sabe esperar não?”.

Sai Raposo molhado, todo ensaboado de dentro da banheira.

Escorrega no chão, se segura na pia, derruba o perfume, quebra o vidro, corta o dedo do pé.

“Pu$#%$%¨%&%$, ai meu dedo.”

Se enrola na toalha, sai pingando, atravessa a sala e enfim chega até a porta, onde uma criatura, provavelmente Matilda, que esqueceu a chave toca a campainha desesperadamente.

“Bom dia senhor, estaria o senhor disposto a responder nossa pesquisa do Censo Brasil 2009?”.

“Você deve estar de sacanagem meu querido, saí do banho, quase quebrei a coluna, cortei meu dedinho, molhei a casa toda e é somente você? Não tem mais o que fazer não”

“Na verdade senhor, tenho mais 53 pessoas para completar a pesquisa no dia de hoje. O senhor está disponível?”

“Disponível? E lá eu sou programação de TV pra estar disponível? Sarta fora daqui antes que te acerte a fuça.”

Neste exato momento entra Matilda.

“Ô Raposo, isso é maneira de falar com o rapaz? Ele está fazendo o trabalho dele.”

“Que faça o trabalho dele, mas longe daqui, sem em encher o saco.”

“Querido, pode entrar, ele está disponível sim e fará a pesquisa pra você, não é Raposo??”

Quem pode resistir aquele olhar tão doce de menina-possuída-em-filme-de-terror-classe-B de Matilda?

“Claro meu bem, farei a pesquisa pelado e com o maior prazer.”

“Ok, Senhor, então vamos começar:”

“Nome:”

“Raposo Von Shultzer da Silva”

“Pode soletrar o segundo nome?

“Não, isso aqui não é programa do Luciano Huck, se não entendeu num escreve.”

“Idade:”

“Do tempo que era falta de educação perguntar a idade à alguém.”

“Profissão:”

“Não te interessa.”

“Senhor, preciso de dados claros para a pesquisa.”

“Tá ferrado, aqui em casa só tem dado vermelho e preto.”

“O Senhor é tão engraçado né?”

“Tá me chamando de palhaço? Vou parar por aqui.”

“Não, senhor, me desculpe, continuando. Escolaridade:”

“Minha escola é da idade da pedra.”

“Quero dizer, senhor, o grau de instrução:”

“Zero, assim como a minha tolerância.”

“O senhor é casado?”

“Não, sou viúvo, pois vou matar minha mulher assim que você sair por te me torrado o saco pra responder esta pesquisa idiota.”

“Raposoooo”- grita do banheiro Matilda -“Responde o moço direito.”

“Ok Mon amour.”

“Senhor, quantas Tvs o senhor tem em casa?”

“Duas, porque, vai pedir emprestado, perdeu tempo, num empresto.”

“Quantos rádios à pilha?”

“Nenhum, o Zé porteiro me levou todos.”

“Quantas geladeiras?”

“P%%%$%#, uma só né seu mala. Mas num tem lanchinho não”

“Quantos aspiradores de pó?”

“Vem cá, isso é pesquisa, ou vc tá se candidatando a faxineira aqui pra casa, pra que você quer saber isso?”

“É da pesquisa senhor. Falando nisso, quantas empregadas diaristas.”

“Uma só, a senhora sua mãe vem aqui toda terça feira quando tem folga lá no galinheiro.”

“O senhor está me ofendendo.”

“Meu filho, você que é um intrometido, quer saber de tudo. Larga de ser fofoqueiro.”

“OK senhor falta pouco, vou relevar.”

“Relevar não, vc vai é levar essa sua bunda gorda daqui porque já tô de saco cheio.”

“Quantos carros o senhor possui?”Uma Pesq

“Essa é fácil, um Porche Carrera, uma Ferrari vermelha, um Lamborghini e um carro de Funerária, que é aonde vou te dar uma caroninha... Entendeu? Ou quer que desenhe?”

“O senhor tem filhos?”

“Não, mas de vez enquanto aparece um filho da p@#%@%, pra me encher o saco.”

“Agora chega, quem o senhor pensa que é pra falar assim comigo?”

“E eu lá sei, é você quem tá fazendo a pesquisa, não sou eu.”

“Muito engraçadinho, se eu não estivesse trabalhando enfiava a mão na sua cara.”

“Enfia, que eu tô doido pra bater num GBO(grande-bobo-e-otário).”

Em um segundo a sala vira um rinque de vale-tudo, roda Raposo pra lá, roda pesquisador pra cá, toalha num canto, caderno do Censo no outro e Matilda tomando banho não escuta nada.

Os dois se debatendo mais que pipoca na panela, e a essa altura o prédio inteiro já ouvia o barraco.

Quando os dois se dão conta, já estão agarrados rolando pelo hall social e o pior de tudo, Raposo peladão.

A porta do elevador abre e quem aparece?

O Silva e Dona três pontinhos, a sogra.

“Mas o que que é isso Raposo, eu não sabia que tú era dessas coisas, tantos anos seu amigo e nunca reparei nessa sua preferência.”

“Raposo, trair minha filha até vai, porque ela é uma mala e merece, agora com esse barbado ai num dá né. Trocou de lado agora? Que pouca vergonha é essa?”

Raposo, não vê nada nem ninguém, só quer acabar com aquele folgado e nem escuta a sirene da polícia chegando na porta do edifício, que o Zé porteiro chamou.

Matilda acaba seu banho tranqüilamente, nada melhor que um bom banho depois de um dia cansativo.

Uma hora de imersão na banheira, no seu banho de sais e ervas ouvindo suas preferidas no Ipod e está novinha em folha, pronta para convidar Raposo para um passeio no shopping, quem sabe até um teatro?

Coloca seu roupão e suas Havaianas e vai até a sala ver se Raposo já terminou a pesquisa com o simpático rapaz.

“Raposo, você já terminou? Raposo. Raposo. Cadê você?”

A porta aberta, toalha no chão, tudo revirado na sala parece não ser uma boa coisa.

Cacos de vidro espalhados pelo chão do Hall Social, quadros derrubados da parede definitivamente algo estava bem errado ali.

Corre até a janela onde percebe ouvir um certo reboliço, e ao chegar e se debruçar depara-se com uma cena um tanto surreal.

O carro da polícia, sua mãe, o Silva, Raposo peladão, algemado bunda a bunda com o rapaz do censo, e uma multidão de curiosos gritando:

“Esfola, esfola, esfola. Pega essas bichas velhas, sem-vegonha”

Neste exato momento:

Ding Dong.

Ding Dong.

Diiiiing Dooong.

Raposo acorda suado e assustado no sofá e:

“Ufa! Era tudo um pesadelo, ainda bem.”

Corre até a porta e suspira aliviado, é Matilda.

“Oi meu amor, olha que gentil, subi com esse rapazinho super simpático no elevador e ele quer fazer uma pesquisa rapidinho com você, atende ele enquanto eu tomo banho querido.”

“Não, tudo de novo não.....”


3 comentários:

Natasha Dias disse...

Aff... adorei!!!
Fiquei até sem ar.. rsrs
Muito legal seu post!!
Um restinho de semana lindo pra vc!!

VIVER É DEIXAR MARCAS disse...

Oi guria...
Quanta coisa pode sair da sua cabeça...rsssssssssssssssss
O Marcos que se cuide!
kkkkkkkkkk
Estão ótimas.
Bjsss

Norma Li disse...

adorei seu senso de humor, obrigada por seguir meu blog (dei uma repaginada, mas é o mesmo)...vou seguir vc também...a música é divertidíssima...beijo...